XXVI REFENO se realiza dia 27 de setembro

REFENO- venha e fique na Beco- sua melhor pousada em Fernando de Noronha

 

Sábado, dia 27 de setembro, será dada largada à REFENO. A Regata Internacional Recife – Fernando de Noronha atrai, todos os anos, competidores do Brasil e de várias partes do mundo. E não é difícil entender por quê. O mar, o vento e o clima de Pernambuco são ideais para a navegação. E as paisagens, tanto na partida quanto na chegada, são das mais belas do país.

 

Programação REFENO

Os barcos partem do Marco Zero, ponto turístico do Recife e seguem com destino a Fernando de Noronha, ilha oceânica de águas cristalinas, onde é possível encontrar natureza pura, com golfinhos e atobás fazendo a festa dos visitantes. São 300 milhas náuticas de percurso, ou 545 km entre céu e mar.

Organizada pelo Cabanga Iate Clube de Pernambuco, em parceria com a Associação Pernambucana de Vela Oceância (APVO), a REFENO quebrou um recorde em 2004: foram 146 barcos inscritos na regata. Veleiros de tamanhos e categorias diferentes. E o grande vencedor foi o Ave Rara, um trimarã de Pernambuco, embarcação espartana e muito veloz, comandada por Vicente Gallo.

 

Curiosidades REFENO

A REFENO é considerada a primeira regata oceânica do país. Ela foi criada em 1986 e cresceu tanto, que hoje é necessário limitar o número de participantes.

O atual recorde é do veleiro Adrenalina Pura, da Bahia, que tem como comandante Georg Ehrensperger. Ele conquistou a marca de 14 horas, 34 minutos e 54 segundos em 2007.

O recorde dos monocascos é do veleiro carioca Indigo, comandado por Ivan Botelho com Torben Grael na tripulação, que em 2011 fez a travessia em 25 horas, 57 minutos e 59 segundos.

 

Prêmio da Regata

Mas não é apenas o barco que chega primeiro que recebe prêmio na regata mais charmosa do Brasil. Além do fita azul, os três primeiros colocados das diversas classes também recebem troféus. Outras premiações também fazem a alegria dos competidores, como o primeiro estrangeiro a cruzar a linha de chegada, o barco que vem de mais longe, o tripulante mais jovem e o mais velho e a primeira mulher a chegar. O penúltimo colocado na regata leva para casa o troféu TAMAR: tartaruga marinha.

E é assim, festejando do primeiro ao último colocado, que a Regata Internacional Recife – Fernando de Noronha faz sucesso. Ela é muito mais do que uma simples competição; é um ponto de encontro de amigos, que escolheram a vela como estilo de vida.

Fonte:  REFENO